PERGUNTAS FREQUENTES

 

 

O que faz um Psicólogo?

O psicólogo é um profissional com formação superior em psicologia. A sua função varia de acordo com a sua área de especialização.

Assim um psicólogo pode:
- Avaliar o funcionamento psicológico do indivíduo através da aplicação de provas específicas;
- Apoiar e intervir no indivíduo em situações específicas e particularmente difíceis;
- Analisar a vocação e aptidão dos sujeitos para determinadas áreas de estudo ou desempenho de certas funções profissionais;
- Ajudar e estimular o desenvolvimento intelectual e emocional do sujeito
- Etc...

Eis alguns exemplos de casos em que um psicólogo poderá intervir:
- Avaliação Psicológica: Avaliação e diagnóstico da inteligência, personalidade, capacidade grafo-perceptiva...
- Psicologia da Saúde: Seguimento e apoio de situações de sofrimento de doença física que afectem a vida psicológica...
- Psicologia Infantil: Problemas de comportamento, hiperactividade, dificuldades de aprendizagem, controlo dos esfíncteres (urina e fezes), fobias (medos)...
- Ludoterapia: Seguimento e apoio psicológico de várias situações em crianças através do desenho, do jogo e do brincar...
- Psicoterapia: Seguimento e apoio psicológico de várias situações, depressões, fobias (medos), stress, problemas familiares...

 

 

O que faz um Neuropsicólogo?

Um Neuropsicólogo é um profissional com formação superior em psicologia, especificamente na área da Neuropsicologia ou com uma pós-graduação nesta área. O Neuropsicólogo estuda a inter-relação entre o funcionamento biológico (extracto neuronal) e psicológico dos fenómenos. O Neuropsicológico, tal como o psicólogo cognitivo, estuda a linguagem, a motricidade, a percepção, a atenção e a memória mas dedica uma especial atenção à localização cerebral e funcionamento neuronal destas capacidades.

 

 

Qual a diferença entre um Psicólogo e um Psiquiatra?

Um Psiquiatra é um médico - possui uma formação superior em medicina e especializa-se em Psiquiatria. Globalmente, o Psiquiatra observa os problemas psicológicos de um ponto de vista mais estrutural, recorrendo a conhecimentos sobre o sistema nervoso e biológico do corpo e encarando os problemas como uma doença ou perturbação, que geralmente necessita de medicação ou de técnicas médicas para ser tratada.

Sendo um médico, o Psiquiatra, contrariamente ao Psicólogo,  tem uma formação que lhe permite a prescrição de fármacos. Do ponto de vista psiquiátrico, o tratamento de perturbações passa geralmente pela medicação, ainda que também tenham alguns conhecimentos de psicoterapia e desenvolvam com alguma frequência intervenções psicoterapêuticas.

O Psicólogo não é um médico, mas um profissional com formação superior em Psicologia. Genericamente, o Psicólogo entende os problemas psicológicos enquanto consequência de experiências vivenciais ou relacionais, relacionadas coma forma como o sujeito foi desenvolvendo a sua maneira de lidar consigo e com os outros. A sua abordagem terapêutica passa sobretudo por uma abordagem psicoterapêutica e apoio e aconselhamento psicológico.

O Psicólogo não prescreve medicação, não só por não ser médico, mas também pelo facto da sua visão da problemática dos sujeitos não seguir essa abordagem. Todavia, sempre que se revele necessário, o psicólogo recomenda ao paciente a consulta de um psiquiatra ou do médico de família.  

Ainda que diferentes, a abordagem psicológica e psiquiátrica estão profundamente interligadas trabalhando ambos os profissionais em equipa numa colaboração multidisciplinar e de complementaridade.

 

 

Qual a diferença entre um Neuropsicólogo e um Neurologista?

O Neurologista é um médico - possui uma formação superior em medicina e especializa-se em Neurologia - e como tal observa o funcionamento cognitivo de um ponto de vista mais estrutural, recorrendo a conhecimentos sobre o sistema nervoso e biológico do corpo e encarando os problemas como uma doença ou perturbação, que geralmente necessita de medicação ou de técnicas médicas para ser tratada.

Como tal, os seus instrumento de avaliação passam geralmente pelas técnicas radiológicas (RX, TAC, ECG, PET scan) ou pelo exame físico dos pacientes, e a sua intervenção baseia-se geralmente através da prescrição de fármacos que regulem o funcionamento neurológico do sujeito.

O Neuropsicólogo não é um médico, mas um profissional com formação superior em Psicologia e específica em Neuropsicologia, pelo que recorre a técnicas de avaliação psicológica (testes e provas neuropsicológicas) e a sua forma de intervenção passa sobretudo pela estimulação cognitiva, tentanto melhorar o funcionamento das funções afectadas.

Tal como acontecia entre o Psicólogo e o Neuropsicólogo, ainda que com abordagens, métodos e formas de intervenção diferentes estes profissionais trabalham frequentemente em equipa visando o mesmo objectivo comum: o bem estar do paciente.

 

 

A confidencialidade é sempre assegurada?

Sim. Tudo o que é dito em contexto de consulta é estritamente confidencial. Esta confidencialidade é um dos pilares fundamentais para a confiança e aliança terapêutica que deverá estabelecer com o psicólogo.

Para além da confidencialidade, o psicólogo tentará ainda respeitar a privacidade de cada sujeito. Apesar de por vezes se tornar necessário a discussão de casos clínicos entre colegas e grupos de estudo, a confidencialidade é sempre assegurada nunca divulgando quaisquer dados que permitam a identificação dos sujeitos e recorrendo ao mínimo possível de detalhes que se tornem necessários para a compreensão do caso.

Poderão existir, contudo, algumas limitações ao direito de confidencialidade do cliente, nomeadamente quando a segurança e bem-estar do próprio sujeito está em perigo (como acontece em casos de planeamento de suicídios), quando coloca outros em perigo, ou ainda em situações de abuso, entre outras. Neste âmbito, e mediante ordem judicial, o sigilo profissional poderá ser levantado.

Todavia, infelizmente não existe em Portugal nenhuma entidade que regulamente e vigie a prática profissional dos psicólogos, situação que é por vezes aproveitada por indivíduos de má formação profissional, deontológica e pessoal, acabando por prejudicar gravemente os indivíduos que a eles recorrem.

ADVERTÊNCIA: Por favor, no seu próprio interesse, antes de recorrer a um psicólogo, tenha em atenção à sua formação e origem profissional. 

 


O que é a Psicoterapia?

Psicoterapia é uma forma de terapia que não é exclusiva para problemas psicológicos, mas cuja especificidade antes reside em se fundamentar no funcionamento psicológico dos sujeitos. É pois uma forma de "tratamento" através dos processos psicológicos.

Pode-se fazer uma psicoterapia com vista à intervenção num problema ou situação específica (patologia), mas também como forma de aumentar o auto-conhecimento - insight, do sujeito (normalidade).